Português (pt-PT)English (United Kingdom)

16.2 Sobre alguns tropos subjacentes aos conceitos de clássico e de classicismo

Vítor Aguiar e Silva
Universidade do Minho
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

Abstract
A palavra “clássico”, quer como adjectivo, quer como substantivo, é politrópica, transmigra fluida e por vezes ambiguamente, por efeito da analogia, de campo semântico para campo semântico. Do conceito de classicus scriptor, formulado, como veremos, pelo gramático e polímato latino Aulo Gélio (século II A.D.), com base numa metáfora, transitou-se naturaliter para conceitos como os de clássicos greco-latinos, clássicos portugueses, clássicos castelhanos, etc., mas outros trânsitos e matizes semânticos são mais complexos, porque resultam de tropos, de metáforas, de metonímias e sinédoques, que se enxertam na metáfora originária de Aulo Gélio.


Voltar

logo FACFILucp


FFCS Faculdade de Filosofia e Ciencias Sociais

UCP Universidade Católica Portuguesa

CEFH logo

CEFHCentro de
Estudos Filosóficos e
Humanísticos